ENTREVISTAS

por Isabel Leirós em 20 Setembro, 2017

"Se as músicas não fazem parte do alinhamento, é porque não eram assim tão boas."

por Alexandre Junior em 19 Setembro, 2017

"O inglês, língua mais abstracta - para nós -, mais maleável, serviria perfeitamente para este novo disco e achei que não encaixava como sendo um disco de JP Simões. E daí esta mudança toda."

por Alexandre Junior em 23 Agosto, 2017

"Se perceberes uma forma de ser interessante, não é preciso muito mais - consegues fazer muito a partir de um mecanismo muito simples."

por Isabel Leirós em 22 Agosto, 2017

"Continuamos a tocar minorias das gerações, é evidente, nós não somos uma banda de massas"

por Alexandre Junior em 21 Agosto, 2017

"Há sempre uma progressão mas nunca perdemos a receita imediata do que fazemos, porque há-de lá estar provavelmente para sempre..."

por Alexandre Junior em 14 Agosto, 2017

"Parece que vivemos um dreamland tecnológico, mas há outras culturas que estão a ter o seu processo de imposição no mundo (...)"

por Isabel Leirós em 4 Agosto, 2017

"O festival cresceu e a vila cresceu com ele."

por Alexandre Junior em 21 Julho, 2017

"Uma vez, era eu garoto, perguntou-me se eu gostava de música e mostrou-me a City of Glass. A partir daí comecei realmente a estudar música."

por Hugo Rodrigues em 11 Maio, 2017

"Somos todos um."

por Alexandre Junior em 1 Maio, 2017

"Gravámos o disco, que foi considerado como não comercial e não teria qualquer sucesso"

por Hugo Rodrigues em 19 Abril, 2017

"O que nos move é verdadeiramente a música e, com muito empenho de todos e algumas dificuldades, vamos construindo noites únicas no Sabotage."

por Christopher Monteiro em 10 Abril, 2017

"Um dos objectivos que tinha na composição deste disco era quebrar as limitações/rótulos do género e fazer apenas o que nos soasse bem."