MENUMENU

Reportagem


Manel Cruz

Ainda não acabei

Teatro Tivoli BBVA

24/11/2017


“Ainda não acabei” foi um aviso claro de Manel Cruz que nos chegou no quente verão passado. Assim como o verão teima em fincar pé neste novembro de temperaturas abafadas, permitindo que ontem avistássemos algumas pessoas de manga curta avenida acima e abaixo no primeiro dia do Vodafone Mexefest, também Manel Cruz, mesmo com todas as ausências e paragens a que nos tem habituado, continua sempre próximo, reinventando-se em novos projectos. E se ao verão pedimos que cesse por uma vez e deixe a natureza se regenerar, a Manel Cruz pedimos que nunca feche estas janelas para o seu pensamento, é que as suas palavras sempre certeiras alimentam-nos a alma como mais ninguém.

Ao lado de Nico Tricot, Eduardo Silva e António Serginho é chegada a hora da Extensão de Serviço, prolongamento da Estação de Serviço que há dois anos atrás nos matou a sede de muitos clássicos do ex-Ornatos Violeta e ex-Foge Foge Bandido. Músicas intemporais que talvez alguns esperassem resgatar ontem quando o quarteto se apresentou no Teatro Tivoli. Tal não aconteceu porque assim como “estação” sugere paragem e tempo para a memória, a palavra “extensão” implica movimento em direcção ao futuro, e é para aí que Manel Cruz se dirige. O novo álbum que ouvimos ontem, muito provavelmente na íntegra, tem promessa de chegada já no início do próximo ano.

Mais laboratorial e menos orgânico, como sugere a parafernália de teclados e sintetizadores em palco enquanto procuramos um lugar dianteiro nas cadeiras do teatro, esta Extensão de Serviço continua a oferecer tudo aquilo a que Manel Cruz nos habituou. Dissonâncias em perfeita harmonia nos arranjos musicais, uma voz reconfortante que não procura malabarismos vocais, até porque nem o precisa, e palavras das quais, até hoje, só o portuense parece conseguir fazer sentido na língua de Camões, que nos atingem quer como uma pontada nervosa, quer como um calor no peito.

“Debaixo das coisas não vive nada”, “Quem é Deus quando tudo cai? Tu não és”, “Seja o que for deixa o tempo em paz, se não me vais ouvir para quê tentar”, “O reverso do vazio é uma luz noutro espaço”, são frases soltas que vamos recolhendo das muitas músicas novas que gostaríamos de conseguir absorver ali naquele momento, mas que teremos de aguardar pacientemente até que nos cheguem na sua versão final. Mas o objectivo cumpre-se e ao dia seguinte estas ideias ainda nos ruminam o espírito.

O entra e sai do Tivoli perturba-nos por vezes a atenção e ouvem-se pela sala em diversos momentos ordens de silêncio assertivas. Isso não parece incomodar de todo Manel Cruz, visivelmente feliz em palco – ouvimos até escapar-se-lhe um sentido “Saudades!”. Lá para o final tiraria a camisola, nessa ode à insanidade “Maluco”, feita de arranjos assimétricos e esquizofrénicos, cantada com se de um desafio de desgarrada se tratasse. “A minha porta transformou-se em janela e eu fiquei fechado no último andar, olhei para fora e vi os meus pés na rua, digam-me agora como foram lá parar” – não há conforto maior saber que na loucura nunca estaremos sós.

Galeria


(Fotos por Hugo Rodrigues)

sobre o autor

Vera Brito

Partilha com os teus amigos