MENUMENU

Reportagem


Wolf Alice

Um punhado de sortudos

Coliseu dos Recreios

01/11/2018


Esperávamo-los desde o NOS Alive, quando nos deram a saber que visitariam o nosso país pela primeira vez em nome próprio. Por muito bem que tenhamos dito do espetáculo no palco secundário, o ambiente do festival esse ano deixou-nos um ligeiro sabor agridoce. Daí a que aguardássemos com antecipação. No entanto, por mais que já tenhamos repetido que vivemos numa bolhinha em que toda a gente ouve a mesma música, não imaginávamos que seriam tão poucos os que como nós quiseram receber os Wolf Alice.

Foi de partir o coração. Um Coliseu de Lisboa a um quarto – se é que tanto – da lotação. Depois de ouvirmos que foi a pedido da própria banda que este concerto acontecia, ainda ficámos mais desolados.

Portanto, tudo o que se segue nestas linhas é enformado por uma profunda convicção de que nós não merecemos a banda inglesa; que para esta relação tão bonita os Wolf Alice já contribuíram com uma canção chamada Lisbon e visitas constantes e nós só soubemos ser o namorado emocionalmente indisponível.

São as 20.30 quando o concerto começa. As luzes gerais apagam-se para dar lugar ao azul que vinha do palco. Se visitas ao Oceanário me ensinaram alguma coisa, é que o oceano tem uma iluminação cénica que fica bem em qualquer parte.

Surgem as quatro figuras em palco.  Um guitarrista de camisola às riscas em estilo “casual mime,” o baixista a lembrar o décimo Doctor Who, a vocalista de botins e cabelo atado – é um man bun se for uma mulher a usar? – e um baterista. Não tenho nada para este último; os bateristas às vezes são assim.

O concerto arranca em grande força com “Your Love’s Whore.” Diga-se que quando “Delete The Kisses” se faz escutar ocorre-nos a mesma interrogação aquando do Alive: “Tão cedo?” Aquele que nos parece o êxito mais transversal e capaz de recrutar novos fãs far-nos-ia sentido mais para o fim, mas se os Wolf Alice nos servem a sobremesa antes do prato principal não vamos desdenhar. De resto, o alinhamento segue os padrões que já esperávamos e já tínhamos ouvido. A diferença: tudo é melhor. A altura do dia, o som, o público e a folga de tempo tornaram este espetáculo em nome próprio numa besta diferente. O que numa tenda soava a uma banda que tocava demasiado perto dos amplificadores, no Coliseu já soava a reverb intencional. Em particular naqueles temas que fariam Kurt Cobain orgulhoso. Olhando na tua direcção, “You’re a Germ”.

“How is everyone doing?” perguntava Theo Ellis, o mais comunicativo do conjunto. “ It’s an absolute pleasure to be here,” dizia-nos, acrescentando mágoa à tristeza que só existia do nosso lado. “ There’s quite a good ‘signage’ going on here,” dizia, apontando para um cartaz que pedia um abraço ( assumimos). “You’ll absolutely get a hug at the end of the set.” E seguiu-se a “St. Purple & Green” , “Beautiful Unconvetional”.

Já na recta final antes do encore, enquanto não ouvimos “Sad Boy”, ouvimos outros elogios: “ You’re a very lucky bunch of People.” Pois, somos, Theo, pois somos. Mas e explicar aos outros? Quando Ellie nos pergunta “ How do you say ‘I Love You Portuguese’?” a vontade seria dizer “estão perdoados,” para garantir que a assiduidade da banda em Portugal se mantém.

Quando a banda sai de palco, o encore mais parece um fait-diver sem a massa de pessoas em antecipação. Voltam com a delicodoce “Blush” que nos perfura com a acutilância de “are you happy now?” Agora, só por este pedacinho, sim. Mas podíamos estar mais. Falta a comunhão de ouvir música ladeado de muitos mais melómanos como nós.

“Obrigado, Lisboa. You’ve been wonderfull”. “Giant Peach” termina o set e Ellie vem a público para ser uma de nós.

Terminou bonito.

Sim, foi uma seca ler esta reportagem. Escrevê-la também. Mas havia uma história a marcar o concerto e contorná-la seria desonesto. Foi um mau concerto? Não, foi excelente, na verdade. E para quem estava agarrado às grades absorvido pela música, nada do que dissemos deverá ter importado. A nós não nos coube essa sorte. Talvez para a próxima. Se foram a este concerto, ofereçam os Wolf Alice a um amigo e tragam-no para a próxima.

Galeria


(Fotos por Hugo Rodrigues)

sobre o autor

Jorge De Almeida

Partilha com os teus amigos