MENUMENU

Reportagem


Vodafone Paredes de Coura

Resumo do 1º dia

Praia Fluvial do Taboão

15/08/2018


© Hugo Lima

Entre o fado neo-zelandês de Marlon Williams, a aclamação dos Linda Martini, a euforia psicadélica dos King Gizzard & The Lizard Wizard ou a celebração pouco consensual de Conan Osiris

Coube aos bracarenses Grandfather’s House as honras de abertura da edição deste ano do festival. Não chegámos a tempo de os ver. Sabemos apenas que tocaram com o saxofonista de The Legendary Tigerman e que, pela aparência do recinto, não terão tido uma multidão a vê-los. Aliás, ficava, nesta altura, a sensação que este seria um festival com mais espaço (ou menos público) do que nos últimos anos. Pelo menos, até Sábado, dia do furacão Arcade Fire. No final da noite, já no After Hours, não teríamos percepção idêntica.

Em estreia nacional, o cantautor neozelandês Marlon Williams – o predilecto do segmento da população melómana ex-jornalista e actual programadora – veio mostrar a ginga folk rock dos nossos antípodas. De brinco à rufia de bilhares dos anos oitenta bronzeado já meio courense-a-meio-de-Agosto e um mullet pós-moderno, trouxe os seus Yarra Benders para uma hora de montra de carreira até ao momento e de Make Way For Love em especial.

Sóbrio começo a solo, dedilhando Marlon Williams a guitarra acústica, apresentando-se timidamente, com um quase croon à moda de Bobby Darin. A coisa já se compunha e logo se juntou a restante banda. Nada mais apropriado do que passear por canções como Come To Me, cuja letra tão apropriadamente dispõe, dada a envolvente do festival: “Down on the beach with pale and spade, no shelter from the sun and the rain”; boa para chatear os vizinhos com uma coluna bluetooth ali junto ao rio ou quê? Comparando-se a actuação à de Alex Cameron, na edição do ano passado, e estando na categoria de “cantautores com a mania de que são pitões”, Williams é mais sincero na sua persona de palco e, francamente, mais interessante musicalmente.

Alternando entre a acústica e a eléctrica, o antigo menino de coro ia convencendo e vendo o público do palco principal a engrossar – com inteira justiça. Com tanta presença e, porque não dizê-lo, sensualidade, dava volta e meia de cigarrito e lata de Super Bock na mão, feito poeta de Internet/pós-moderno, mas com talento. Como se não se estivesse o público já a afogar em mel, sacou do jogo de ancas e de uma belíssima versão de Carried Away (Olivia Newton-John/Barry Gibb); porém, como qualquer bom artista, deu-nos a volta, com uma I Can Smell You – evocação de muita mansão do chulé ali atrás no campismo?

Nem um arranque sem pólvora em Party Boy (onde andas, Chris Pontius?) maculou o concerto, que findou com mais uma versão de gabarito, desta feita de When I Was a Young Girl, de Nina Simone, que bem poderia ter servido de evocação de outra grande senhora: Celeste Rodrigues.

Marlon Williams, marialva neozelandês, veio dar mel e malandrice a Coura – não se chama Marlon Brandão, mas bem poderia chamar.

Justo, mas tardio e curto. Pela consistência dos primeiros discos e pelo carinho do público, há muito que os Linda Martini mereciam um palco destes, numa hora destas. Se isso não aconteceu, em muito se deve a uma certa pequenez tão portuguesa, que raramente põe bandas nacionais em pontos importantes dos grandes festivais. Seja com for, é pena que tenha vindo nesta fase, quando os últimos discos não fizeram a diferença e os tempos áureos já lá vão. Nota-se isso em Cem Metros Sereia, outrora fecho explosivo de concertos (com o público a entoar “Foder é perto de te amar” vezes e vezes a fio), que, em Coura 2018, teve uma reacção discreta. Em todo o caso, é nos temas mais antigos, como esse, Belarmino ou Panteão, que a comunhão mais se sente, ao invés de uma certa apatia com que são recebidas as canções do mais recente disco (homónimo, com a capa a servir de pano de fundo no palco).

Apesar de um Hélio Morais mais parco em palavras e menos lamechas do que noutras situações (a principal mensagem estava na bateria, na homenagem ao recentemente falecido Phil Mendrix), não se pode dizer que os Linda Martini sejam hoje uma banda acomodada. Há ainda uma grande paixão vinda de palco e sente-se a entrega dos músicos. Mas, seja pelo momento, por um desinteresse maior do público ou por um som mais abafado, parece que falta qualquer coisa que já tiveram noutras alturas. Terminaram com Amor Combate e com o mais punk Amor é não haver polícia. Soube a pouco e foi curto. Terá sido imposição do festival, mas a banda portuguesa saiu de palco quase 1h antes do arranque dos King Gizzard. & The Lizard Wizard.

Estamos em 1968 e os Grateful Dead actuam em Coura. Salazar caiu na cadeira e, talvez por isso, temos música do demo a vir a Portugal. Cabelos compridos, uns vestígios de luzes boas para a época (talvez melhoradas no futuro) e o essencial: riffs psicadélicos de guitarra maiores do que o mundo e ritmo elevado durante 1h. Desde que vieram a Coura, há 2 anos, a banda já lançou uma boa mão cheia de discos. Algo natural: estamos nos anos 60 e a produtividade das bandas não depende das imposições editoriais. Por um lado, parecem menos eclécticos e sentimos a falta de uma flauta transversal e de uma ou outra variação rítmica. Por outro, há novos pontos altos, como a sequência Sleep Drifter / Rattlesnake, cantada, dançada e suada por um público eufórico. Enfim, não são os Grateful Dead. São australianos, chamam-se King Gizzard & The Lizard Wizard e estamos em 2018. Depois da notável performance do neo-zelandês Marlon Williams, o dia só pode ser da Oceânia.

2013, os Simian Mobile Disco foram cabeças de cartaz em Coura. Mais tarde, a organização fazia mea culpa e admitia que, com essa e outras opções, havia um certo afastamento da matriz clássica do festival. Cinco anos depois, os The Blaze fecharam o primeiro dia do palco principal. A dupla francesa é bem menos conhecida (nem um disco têm editado) e muito diferente, longe da feira popular de gosto duvidoso que os Simian Mobile Disco trouxeram ao palco do festival. A electrónica é mais cerebral, menos dançável, com beats melancólicos qb que, aqui e acolá, têm excertos de voz. Podem ser coisa para ver noutro contexto e noutro momento. Mas, por mais que se aprecie o eclectismo, colocar esta dupla a seguir ao furacão King Gizzard soou a opção discutível.

De um marialva neozelandês ao início da noite para o grande marialva nacional do ano no fim daquela: Conan Osiris (ou Tiago Miranda). Depois de uma sessão por entre fatias de bolo no Leira de Cima, mais recente taberna da vila (o bolo até estava quente e tudo), onde teve a bonita atitude de promover Sreya, comparsa com a qual trocou Cranberries e hip hop. Mas, bom, a rapaziada encheu o palco secundário meia hora antes para ver uma fornada de bolos e douradinhos, com copos de balão na mão, porque nada mais era preciso.

Por entre críticas (mal têm substrato para tal) de que edições digitais não são álbuns ou de que a obra do trabalhador de sex shop nas horas vagas é um entretém vazio, certo é que o ano é dele. Como bom garfo que é, serviu-nos Borrego, não sendo a noite, contudo, nossa inimiga. Em toda a sua inquietante simplicidade – um microfone, uma DJ (novamente Sreya) e o seu dançarino, mostrou-se como um Niander Wallace Super Guerreiro, na plenitude da explosão do seu terceiro disco.

Grande artista que é grande artista guarda uma ou duas na manga (naquelas muito cabia) para os grandes momentos: apresentou duas canções novas aos “bebés” do público, uma cujo refrão não se pode aqui reproduzir, mas que rima com “vai para o trabalho” e outra que mete o lixo trapeiro todo a um canto (Travis Sco-, quem?) – novamente, os grandes artistas não se acomodam, que a NOS nada deve ao marialva, salvo cachet de anúncio.

Breve passagem por Música, Normal (AVNL, 2016), com Coruja Missingnu, canções elegantes e já com fôlego. “Quem faz batota?“, interrogava-se ele, com o incansável dançarino (resposta: o Benfica), com uma plateia já rendida. Se as comparações com cantares populares (incluindo baléles), fados e António Variações parecem descabidas, fazem sentido; Conan Osiris mexe-se com a volúpia de um cavaleiro andante, tem modos de fadista e de marialva de puro sangue português e conta com uma produção que proclama que por cá também se faz pop dançante actual e, pasme-se, com qualidade e humor.

Tal como Variações, Conan Osiris tanto está bem cantando ao desafio algures numa aldeia minhota como está numa cosmopolita sala de Lisboa ou Porto e, artisticamente, pulveriza-se entre Tóquio, Nova Iorque, Berlim, Lisboa e Londres. O trio que tem vindo a rebentar com tudo este ano é um router de influências e vai trilhando (e trollando no) o seu caminho. Houve Titanique (#somoscelinedion), Eu Adoro Bolos e dramas de Celulitite. Só faltou uma sandezinha de carne assada (que, ao almoço, foi impingida a este escriba mas não servida no Leira de Cima) e mais uns bolinhos e mais nada, nada, nada.

Como é apanágio de Coura, Nuno Lopes fechou a noite, com martelada a rodos até toda a gente se cansar.


sobre o autor

Joao Torgal

Partilha com os teus amigos