MENUMENU

Reportagem


Rodrigo Amarante

Pode ser que a gente se veja outra vez.

Teatro Tivoli BBVA

28/06/2016


Rodrigo Amarante é uma figura muito acarinhada em Portugal e não é preciso estar mais do que alguns minutos na sua presença para perceber porquê. Na primeira de 5 datas, esperava-o um Teatro Tivoli BBVA cheio e que não tardou a deixar-se embalar pelas bonitas canções do cantautor brasileiro, que cantou para cada um como se estivéssemos sós.

Nada em Vão e Mon Nom abriram as hostes. Não há nada mais bonito num concerto do que ver um músico retribuir pelo dobro aquilo que o público lhe dá. Mais do que um desfilar pelo seu reportório, o músico permitiu que entrássemos no seu mundo, descobríssemos as suas canções e o propósito para que foram escritas. E foi de coração aberto que contou as suas histórias, começando com I’m Ready, que foi escrita a par com The Ribbon. As canções contam a história de um soldado morto em duas perspectivas. A primeira é o relato da mãe, que acaba de receber a visita de um oficial que lhe vem entregar uma medalha de honra pelo servido prestado pelo filho. A segunda, é contada na voz do próprio soldado, enquanto revisita o momento em que caiu na batalha. Opta por cantar a primeira e deixar a última para o final da sua actuação, como seria de esperar. Mas, pelo meio, houve tempo para mais algumas das histórias que compõe o primeiro e aclamado álbum a solo de Rodrigo Amarante, Cavalo, uma verdadeira ode à poesia moderna.

Contou que Fall Asleep foi escrita por causa das suas insónias e que Tardei, um dos seus temas mais intimistas, simboliza uma projecção de chegada: o protagonista ainda não encontrou o final do seu caminho, mas já está a imaginar como será, enquanto questiona o seu propósito.

Sem surpresa, quando perguntou que canção havia de cantar a seguir, surgiu uma voz a pedir Tuyo. A primeira canção que, como o próprio descreveu, escreveu por encomenda, mas que já se tornou um ícone por ser o genérico da famosa série Narcos que retrata a vida de Pablo Escobar.

Visivelmente emocionado pela calorosa recepção, improvisou um poema em honra a Lisboa e partilhou o desejo que o seu avô manifestava (tanto em vida como em morte, ao que parece) para que fosse visitar a cidade de Amarante a trás-os-montes. Parece que será desta.

Com Pode Ser, música composta nos tempos da Orquestra Imperial, e com The Ribbon encerrou uma actuação perfeita. Voltou para o encore com reportório do passado. Ao palco, trouxe Condicional e Evaporar, dois temas icónicos de Los Hermanos.

Estas canções marcaram o cair definitivo do pano. E com ele invade a sensação de que aquela noite poderia durar por muito mais tempo. Porque é sempre um prazer ouvir quem tantas histórias tem para contar e quem as sabe cantar tão bem. Agora, é hora de arrumar Cavalo e esperar que Rodrigo Amarante nos volte a surpreender. Pode ser que a gente se veja outra vez.


sobre o autor

Claudia Filipe

Partilha com os teus amigos