MENUMENU

Reportagem


NOS Alive

Os Radiohead estavam a subir ao palco para uma entrada que deveria ter sido bem mais intensa do que se esperava.

Passeio Marítimo de Algés

08/07/2016


Dia há muito esgotado para rever Radiohead no sítio onde tocaram na sua última visita ao nosso país. Com álbum novo na bagagem, o aclamado A Moon Shaped Pool, a curiosidade era imensa para ver uma das maiores bandas de culto dos nossos tempos. Mas, antes disso, houve, finalmente, uma série de concertos que ficarão para a história do festival. Para muitos, o dia começou cedo com um dos mais recentes fenómenos, Years & Years, a abrir o palco principal. Num concerto que soube a Verão, os ingleses estavam praticamente a jogar em casa, para um público que falava uma imensidade de idiomas, demonstrando que a cada edição que passa, o NOS Alive se torna um festival cada vez mais internacional. King, o tema que os catapultou para a ribalta, foi cantado a uma só voz. O trio de electropop pôs uma pequena multidão a dançar. Outra pequena enchente esperava Courtney Barnett no palco Heineken. Dead Fox, um dos temas que compõe o seu primeiro longa duração Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit, abriu as hostes para um concerto efervescente, de total entrega do público que a aguardava e para quem este terá sido certamente um dos concertos do festival. O som estava alto, muito alto, e com Nobody Really Cares If You Don’t Go to the Party fechou a sua actuação, que será recordada.

Courtney Barnett

Courtney Barnett

Entretanto, do outro lado do recinto, já os Foals iam lançados para um concerto, naturalmente, baseado nos seus dois últimos álbuns, Holy Fire e What Went Down. Há saudades dos ambientes mais emocionados de Total Life Forever, de onde ainda deu para ouvir a lindíssima Spanish Sahara, mas as vibrantes guitarras que imperaram durante todo o concerto, aliados ao quase funk dos novos sons, foram rainhas de um sunset improvisado. Inhaler e What Went Down fecharam em grande um concerto de mais uns repetentes nestas andanças e de quem, provavelmente, muitos pouco esperavam.

Nem vale a pena falar muito sobre o fenómeno Tame Impala em Portugal. Está mais do que sabido: onde quer que estejam, venham quantas vezes vierem, há uma casa cheia à espera de os receber de braços abertos e os australianos sabem disso. E nem foi preciso esperar muito para, como se diz na gíria, ver a carne ser posta no grelhador. O fervoroso arranque com Nangs, logo seguida de Let It Happen, que já se tornou um hino, mostraram imediatamente o que esperar dali: o psicadelismo dos Tame Impala está para durar e a sua legião cresce a cada dia que passa, alastrando a febre aos festivaleiros mais novos que se começam a aventurar nas lides da música. Depois deste hipnotizante arranque, choveram confettis como se a festa estivesse para terminar. No entanto, estava ainda a começar e, rapidamente, o NOS Alive se tornou num mini Woodstock onde nem topless faltou.

Father John Misty

Father John Misty

Enquanto os Tame Impala continuavam a destilar energia, o gigante Father John Misty subia ao palco Heineken. Coube-lhe a ele tocar à hora mais ingrata, entalado entre Tame Impala e Radiohead, mas também é dele o concerto da noite. Há qualquer coisa de cativante na personagem que o cantautor veste em palco: desde a forma como se move, até à sua voz penetrante e arrepiante. É um sedutor nato e veio decidido a derreter corações. Algures pelas cortinas vermelhas que adereçavam o palco, entra com a majestosa Hollywood Forever Cemetery Sings, logo seguida da doce When You’re Smiling and Astride Me. Mas foi com a sua canção de amor menos ortodoxa, Chateau Lobby #4 (In C For Two Virgins), que deixou a plateia completamente rendida. Depois de um concerto tão intenso, o difícil foi aceitar o final e perceber que, depois de The Ideal Husband, restava abandonar e seguir viagem.

Os Radiohead estavam a subir ao palco para uma entrada que deveria ter sido bem mais intensa do que se esperava. Muito aparato visual, com múltiplos ecrãs que permitiam, mesmo de longe, ir acompanhando o que se passava no palco, começaram um desfile de grandes canções com Burn the Witch. Optaram por um alinhamento muito baseado no mais recente A Moon Shaped Pool e, para quem ainda tinha presente na memória a grandiosidade do espectáculo de 2012, houve um sentimento recorrente de que faltava algo: faltava menos introspecção, mais volume, que estava ridiculamente baixo, mais emoção e menos alheamento da plateia, que foi aproveitando momentos mortos para pôr alguma conversa em dia. Valeu pela segunda metade do concerto, que é o que irá ficar na memória: porque sabe sempre tão bem revisitar temas como Idioteque ou Exit Music (for a Film). O crescendo culminou com Street Spirit (Fade Out), num momento quase apoteótico e com a qual Thom Yorke e companhia se retiraram pela primeira vez do palco. Haveriam de voltar, para um vibrante primeiro encore composto por canções escolhidas a dedo, entre as quais a intimista Nude, a intemporal Paranoid Android, ou a explosiva There There. Regressaram uma segunda vez para aquilo que já se esperava: telemóveis ao alto, que doze anos depois os Radiohead estão novamente a tocar a Creep e, logo de seguida, Karma Police. E, apesar de tudo o que se diz sobre ambas, foram momentos que souberam bem testemunhar.

Pequeno pânico foi o que se viveu a seguir: alguns optaram por ir embora, mas uma larga maioria decidiu ficar para a festa em Two Door Cinema Club, num concerto que só pecou por não ter sido no palco principal. Milhares e milhares de pessoas precipitaram-se para a tenda Heineken, na esperança de terminar a noite com um caloroso pé de dança.

Depois de um primeiro dia morno, o segundo dia foi bem mais caloroso. Desta noite, ficam boas memórias de grandes momentos. Mas o melhor ainda haveria de estar para vir.

Galeria


(Fotos por Hugo Rodrigues)

sobre o autor

Claudia Filipe

Partilha com os teus amigos