MENUMENU

Óscares 2017: As previsões

por Bruno Ricardo em 23 Janeiro, 2017

É possível que cheguemos a um mês dos Óscares e já saibamos quem vá ganhar Melhor Filme? Claro que sim, e estrago-vos já a surpresa: será La La Land.

Esqueçam qualquer conversa sobre valor e qualidade que não é disso que se trata nestes prémios, já vos avisei várias vezes. Tem tudo a seu favor e há apenas um problema pendente a estragar uma carreira perfeita nos prémios que antecedem os carecas dourados. Este é, aliás, um daqueles anos que tem um favorito destacado e nenhuma outra obra que se lhe possa fazer sombra de uma forma óbvia. Também é o ano da culpa branca e do destaque de uma quantidade apreciável de filmes sobre e protagonizados por negros que pode surgir nesta terça-feira, dia 24, na boca de quem vai anunciar as nomeações para os Óscares. Os anunciantes, aliás, reflectem esse esforço quase hercúleo de mostrar diversidade racial dentro da indústria: temos Brie Larson, a afro-americana Jennifer Hudson, o japonês Ken Watanabe e o mexicano Emanuel Lubezki. Tentaram convidar um arco-íris, mas não há chuva suficiente em Los Angeles.

Passemos às previsões. Deixarei os meus palpites para as principais e também para três que considero importantes à sua maneira: Documentário, Animação e Filme Estrangeiro. Comecemos por estas.

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

É tentador restringir os nomeados deste ano apenas a produções norte-americanas comerciais; no entanto, se há coisa que esta categoria nos dá sempre é a presença de um ou dois outsiders que ninguém espera. Habitualmente vêm do Japão ou da Irlanda, mas este ano não há candidatos desses lados. Sendo assim, parece-me que a lista será algo deste género:

Kubo and The Two Strings
Moana
Zootopia
My Life as a Zucchini
The Red Turtle

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Preparem-se para a experiência negra em força: este é o ano anti Trump, anti-racismo, anti-xenofobia. Nas minhas previsões não um, não dois, mas três documentários nesta veia; os dois restantes lugares da lista, na minha opinião, serão ocupados, por um feliz acaso documental e a tocante experiência de um pai que comunica com o sue filho autista usando filmes da Disney.

13th
I Am Not Your Negro
OJ: Made In America
Weiner
Life Animated
Alternativa: Fire At Sea

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

O candidato alemão é o claro favorito e a experiência ensinou-me a nunca apostar contra um filem dinamarquês. Penso que os representantes iraniano (que, ainda por cima, é do já vencedor Ashgar Farhadi) e sueco são as duas escolhas mais óbvias, sobrando a quinta. Sinto-me dividido entre a Rússia e a Austrália, ma so filme australiano, no entanto, sobre uma historia de amor à Romeu e Julieta, mas num arquipélago do Pacífico, parece-me ser o mais apelativo ao comum votante e por isso o escolho.

Toni Erdmann (Alemanha)
Under Sandet (Dinamarca)
En Man Som Heter Ove (Suécia)
Forushande (Irão)
Tanna (Austrália)

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA

A outra categoria cuja vencedora está garantida, acho: Viola Davis tem isto no papo. Há todo um ar de dívida de Óscar a rodeá-la e ter Meryl Streep a tecer-lhe elogios nunca é de menosprezar. Para mais, diz-se que a performance é, de facto, potente. Michelle Williams, Nicole Kidman e Naomie Harris parecem-me também garantidas. Sobra, como é costume, um lugar e aqui é que a coisa se entala. Viro-me para Octavia Spencer, cujo filme Hidden Figures pode trazer também Janelle Monae (sim, essa mesmo) como alternativa.

Viola Davis (Fences)
Michelle Williams (Manchester By The Sea)
Naomie Harris (Moonlight)
Nicole Kidman (Lion)
Octavia Spencer (Hidden Figures)

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO

Talvez uma das categorias mais interessantes da noite, por não haver de momento qualquer favorito declarado. Para além disso, há oito ou nove opções perfeitamente credíveis para cinco lugares, sabendo até que os Óscares costumam atirar uma surpresa de quando em vez nas categorias de representação. Mahershalla Ali, Jeff Bridges e Dev Patel (um principal numa categoria de secundários…) parecem-me estar bem trancados e a partir daqui é especulação. A revisão mais conservadora levar-me-ia a apostar em Hugh Grant, mas eu sigo sempre o meu bom gosto e sou incapaz de fazê-lo. Tudo somado, a coisa deverá ficar assim:

Mahershalla Ali (Moonlight)
Jeff Bridges (Hell Or High Water)
Dev Patel (Lion)
Lucas Hedges (Manchester By The Sea)
Aaron Taylor-Johnson (Nocturnal Animals)
Alternativa: Hugh Grant (Florence Foster Jenkins)

MELHOR ACTRIZ

Neste momento, Emma Stone e Natalie Portman são, apesar de tudo, as mais destacadas favoritas. Acho difícil que este Oscar não se dispute entre elas. Amy Adams, pelo seu papel em Arrival, também me parece certo e não nomear Meryl Streep é sempre um anátema. Resta, já adivinharam, aquele último lugar manhoso. Isabelle Hupert, depois de ganhar o Globo de Ouro, mostrou que está no subconsciente de Hollywood e tem de ser considerada a escolhida; no entanto, cautela com Annette Benning.

Emma Stone (La La Land)
Natalie Portman (Jackie)
Meryl Streep (Florence Foster Jenkins)
Amy Adams (Arrival)
Isabelle Hupert (Elle)
Alternativa: Annette Benning (20th Century Women)

MELHOR ACTOR

Esta será talvez a mais competitiva categoria de Melhor Actor de há uns anos para cá. Como com os secundários, não existe de momento um favorito óbvio, embora, ao contrário de outros anos, tenha sido mais fácil, para mim, restringir os potenciais nomeados. Desde o início que as indicações têm sido bastante consistentes e apenas com os BAFTA surgiu um fantasma chamado Jake Gylenhall em Nocturnal Animals. Há uma dívida a pagar-lhe pela não nomeação em Nightcraler, mas não acho que seja paga por este ano. Assim sendo, a coisa fica desta forma:

Casey Affleck (Manchester By The Sea)
Denzel Washington (Fences)
Andrew Garfield (Hacksaw Ridge)
Viggo Mortensen (Captain Fantastic)
Ryan Gosling (La La Land)
Alternativa: Jake Gylenhall (Nocturnal Animals)

MELHOR REALIZADOR

Mais uma categoria engraçada de prever. Se nos guiarmos pelos nomeados do DGA, o sindicato de realizadores, terão de crer que Garth Davis entra aqui por Lion. Posso dizer-vos já que não acredito e explico porquê: todos os anos, tem havido uma discrepância de pelo menos um nomeado entre os prémios do DGA e os Óscares e este é, claramente, o elo mais fraco. Ora então, quem entra? Acho que existem 3 candidatos óbvios: David Mackenzie por Hell Or High Water, Tom Ford por Nocturnal Animals e a Meryl Streep moderna dos realizadores, Martin Scorsese por Silence. Tendo a inclinar-me para Tom Ford, porque foi nomeado para os BAFTA e o seu filme teve uma presença fortíssima na nomeações. No entanto, há qualquer coisa em mim que me sopra que Scorsese pode aparecer.

Damien Chazelle (La La Land)
Barry Jenkins (Moonlight)
Kenneth Lonergan (Manchester By The Sea)
Dennis Villeneuve (Arrival)
Tom Ford (Nocturnal Animals)
Alternativa: Martin Scorsese (Silence)

MELHOR FILME

Se tivessemos um ano com cinco nomeados, isto estava mais do que resolvido. No entanto, sobram três, talvez quatro lugares por preencher. Acho que serão nove os nomeados deste ano, tem sido o número mais vezes repetido desde que se reabriu esta história das cinco nomeações ou mais. Respeitando a minha lista de previsões completa (que inclui categorias técnicas e que não colocarei aqui porque ser maçador tem um limite até no meu caso), vou seguir aqueles filmes que aparecerão, a meu ver, mais veze sou em categorias importantes. Com tudo isto, a lista final deve ficar algo de parecido com isto:

La La Land
Moonlight
Manchester By The Sea
Arrival
Hell Or High Water
Fences
Hacksaw Ridge
Hidden Figures
Lion
Alternativa: Nocturnal Animals


sobre o autor

Bruno Ricardo

Partilha com os teus amigos