MÚSICAS DA SEMANA

#215

com

smartini

Partilha com os teus amigos

Escolhas de smartini

Free Kitten - Greener pastures

Este tema de 1994 é retirado do álbum Nice Ass. Tem um significado muito importante para mim porque foi descoberto numa viagem a Barcelona. Desconhecia por completo a banda. Talvez tenha sido atraído pela capa ou quem sabe, por lá estar a senhora Gordon. Lembro-me de ter ficado extremamente surpreendido quando pedi para tocar o disco e perguntei para mim mesmo. Que som é este?

Linda Martini - O Amor é não haver Polícia

Não tendo nada, e ao mesmo tempo tudo a ver, é um tema carregado de pura energia à semelhança do tema Lisboa dos Mão Morta. Recordo-me de termos partilhado o palco com os Linda martini em 2006 e no final do concerto ter pedido à Cláudia para, por favor, tocar o tema.

Deerhunter – Nothing ever happened

A escolha deste tema assenta essencialmente na harmonia gerada pela conjugação de uma batida que por si só é bastante própria, pela melodia da voz e a introdução dos solos de guitarra. É um tema perfeito que vai evoluindo e que acaba de uma forma contagiante.

Girl Band - Why They Hide Their Bodies Under My Garage?

Os Girl Band foram descobertos por mero acaso. Tocamos no mesmo dia no festival Mucho Flow e assistimos a um concerto inesquecível. As batidas, as distorções que surgem momentaneamente e a repetição da letra levaram o público a atingir uma espécie de estado neo-tribal. Recomendamos vivamente que vejam o videoclip Why They Hide Their Bodies Under My Garage?.

Angel Olsen – Shut up kiss me

Este tema estará eternamente associado à nossa entrada no Top Rum. Após a entrada direta de Liquid Peace para o primeiro lugar, o tema “Shut up kiss me” juntou-se a nós na quarta semana e desde então temos andado sempre a par. É um tema romântico, interessante e está tudo dito.

Escolhas de Hugo Rodrigues

Alexisonfire – This Could Be Anywhere In the World

Esta semana apeteceu-me revisitar um disco que já não ouvia há bastante tempo e que já não me diz assim tanto. De qualquer forma bate sempre aquela saudade.

Dredg – Ode to the sun

Canções sobre o sol.

Oceansize – Ornament / Last Wrongs

And all the while you quietly crave and crave
The day is done
Time you’ve made has come and gone
Stay asleep now

Marvins Revolt – Deliberate Deeds

Outra recordação, mas esta não muito distante. Os Marvins Revolt nunca se ausentam muito tempo das minhas playlists e é sempre um prazer recordar aquele monstruoso concerto no Lavadouro de Carnide com Adorno e Errata.

Jeff Buckley – Hallelujah

A homenagem de um dos grandes que partiu demasiado cedo a outro dos grandes que nos deixou esta semana. 2016 está a ser demasiado brusco.

Escolhas de Sandro Cantante

System of a Down - Holy Mountains

Desde que os System of a Down marcaram datas por essa Europa fora que todos os dias vou ver se Portugal já está na lista. Lamentavelmente, ainda não está. Nunca me vou conseguir perdoar se nunca os for ver a algum lado, mas até lá vou ouvindo tudo o que já nos deixaram que nunca deixa de ser bom.

Agent Fresco - The Autumn Red

Aí há tempos fui ver Katatonia a Lisboa e os Agent Fresco, banda que felizmente já conhecia, faziam parte do aquecimento. Acabei por ficar com a sensação de que o concerto arrefeceu quando saíram e não o contrário. Não há como explicar o poder de explosão da banda islandesa em palco que faz valer, especialmente, o óptimo álbum que é o Destrier, lançado o ano passado.

Avenged Sevenfold - Creating God

Nunca fui muito de ouvir Avenged Sevenfold, mas disseram-me que o último álbum era bom e eu fui ouvir porque tenho demasiado tempo livre, aparentemente. Acabou não só por me surpreender, mas também ganhou lugar na playlist regular de Novembro.

Bon Iver - 715 - CR∑∑KS

Honestamente, Bon Iver fazia parte de uma lista de bandas que não fazia questão de alguma vez ouvir. Tentei o 22, A Million e fiquei apanhado por este estilo estranho, mas viciante, de fazer música. Não percebo como é que o mundo me deixa ficar tanto tempo sem descobrir coisas que soam tão bem.

Opeth - The Wilde Flowers

Vou descobrindo o recente Sorceress aos poucos, sem que tenha ficado fascinado das primeiras vezes que ouvi. Tem boa música, tem música que me passa um pouco ao lado mas, acima de tudo, continua a ser a sonoridade recente de Opeth, para o melhor e para o pior.


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura.

(Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos