MENUMENU
Partilha com os teus amigos
Praia do Futuro
Título Português: Praia do Futuro | Ano: 2014 | Duração: 106m | Género: Drama, Romance
País: Brasil, Alemanha. | Realizador: Karim Aïnouz | Elenco: Wagner Moura, Clemens Schick, Jesuíta Barbosa

O Queer Lisboa 2015 inaugurou a sua demanda e celebração cinematográfica com Praia do Futuro, do consagrado realizador brasileiro Karim Aïnouz (“Madame Satã” e “O Céu de Suely”), revelando por parte da organização, alguma astúcia em escolher esta obra para inaugurar o festival e as razões são várias: primeiramente, pelo seu destaque e impacto a nível internacional, depois porque estreará oficialmente nos cinemas nacionais no próximo mês e, finalmente, por ser uma película que tenta fugir dos estereótipos mais rotineiros e frequentes do género, tanto pela sua original  génese narrativa como pela sua substância naturalista e contida – mas carregada de testosterona – onde os protagonistas são acima de tudo dois homens que se apaixonam um pelo outro e esta relação, como qualquer outra, irá ser pautada por escolhas e sacrifícios.

A forma como Praia do Futuro une as suas personagens principais é incomum e concisa, e até pode surpreender a quem não esteja avisado de que se trata de uma história de temática gay. Um salva-vidas brasileiro (Donato) socorre uma vítima no mar, um corredor de motocross alemão (Konrad). Enquanto a busca pelo corpo  do amigo desaparecido do segundo se desenvolve, uma atracção  física inesperada une os dois homens. Uma atracção inicialmente envolta somente por olhares silenciosos, culmina numa história de amor que faz com que Donato deixe a sua terra natal, a sua família (mais especificamente o seu irmão mais novo, que o idolatra)  e abrace  uma aventura num país estranho.

Para compôr a acção narrativa, Karim Aïnouz utiliza o artifício da elipse temporal, onde é revelado de uma forma algo frenética e abrupta, as dificuldades  de adaptação de Donato, algures nos subúrbios da Alemanha, num universo entre a beleza plácida da paisagem e uma monotonia / tristeza constantes que acentuam o inicial sofrimento da personagem em se desapegar totalmente ao seu passado.

Apesar das equilibradas e verossímeis  interpretações dos actores, a relação do casal é estéril num ponto de vista mais atento, onde é visível somente uma cumplicidade sexual e uma subjugação ténue de Donato  perante  Konrad. Um retrato fiel e estático de muitas relações, é verdade, mas que não consegue ser mais além do que isso, não conseguindo conectar-se na totalidade com o espectador ou desbravar mais do que o óbvio. Uma contenção quase meticulosa, que se torna tétrica, que destroí por completo a aura de naturalidade inicial e que definha através de sequências arrastadas, que nada de substancial acrescentam. Nem o twist a meio da chegada do irmão mais novo  de Donato à Alemanha, um momento que poderia ser ainda mais crucial para o futuro das três personagens, e a oportunidade de realçar o conflito familiar conseguem impulsionar verdadeiramente o decurso da narrativa (e auferir maior autenticidade e intensidade à trama).

Resumindo, Praia do Futuro é audaz na sua proposta e qualidade irrepreensível no quesito técnico, dono de uma fotografia solar que capta duas paisagens  (Brasil e Alemanha) e realidades distintas, sem desmerecer ou privilegiar uma face a outra, mas não conseguindo o mesmo na arte de contornar com sucesso, uma premissa que prometia dar muito mais do que o resultado final.

 

Crítica de Paulo Lopes


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura. (Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos