MENUMENU
Partilha com os teus amigos
Personal Shopper
Título Português: Personal Shopper | Ano: 2016 | Duração: 105m | Género: Drama, Thriller
País: França | Realizador: Olivier Assayas | Elenco: Kristen Stewart, Lars Eidinger, Sigrid Bouaziz

Sabem aquele momento em que temos uma óptima ideia, mas não sabemos bem como nos devemos exprimir para lhe fazer justiça? Provavelmente Olivier Assayas também o saberá, especialmente depois de ter terminado o seu Personal Shopper. Conseguimos perceber que há ali uma boa ideia, mas a sorte do realizador francês esgotou-se ao conseguir arrancar uma prestação muito boa da parte da tipicamente apática Kristen Stewart no papel principal.

personal-shopper

Maureen (Kristen Stewart) é uma personal shopper a tempo inteiro, gerindo as compras da modelo Kyra, e medium nos tempos livres. Enquanto somos levados a pensar por bastante tempo que a vertente de medium é a mais relevante, a narrativa acaba por ser inteligentemente dividida, distribuindo a importância entre ambas as funções da protagonista. Enquanto personal shopper Maureen tem de gerir mais a personalidade de Kyra do que propriamente as suas compras e nas tarefas de medium procura encontrar paz com o recentemente falecido irmão, procurando um sinal do mesmo nesse sentido.

Toda a estrutura do filme foi bem construída por Olivier Assayas e, como foi referido, a ideia que está na base de tudo também é boa. No entanto, chegando à fase de executar, tudo desmorona. Após uma fase inicial bastante prolongada que serve para nos apresentar as poucas personagens relevantes, entramos numa fase morta do filme que tem quase metade da duração do mesmo. Os diálogos estão muito mal conseguidos, sendo obrigado aqui a apontar um diálogo entre Maureen e Ingo, amante de Kyra, em que as perguntas e respostas que se sucedem parecem dignas de uma conversa entre duas máquinas com inteligência artificial em teste. As culpas aqui têm de ir para a má construção de todas as personagens além da principal, não havendo possibilidade de se criar ligações interessantes ou credíveis. Ainda no tópico dos diálogos, mas noutro suporte, temos as longas trocas de SMS entre Maureen e um remetente desconhecido, que falham tanto por terem direito a sequências intermináveis, como por serem completamente aleatórias e incrivelmente improváveis.

personal-shopper

A história pode ser interessante, tanto por suscitar curiosidade relativa à trama principal do filme, como pela mutação que vai acontecendo na personagem de Maureen, mas o foco parece sempre recair sobre o que menos interessa. As longas sequências de SMS criam uma intriga enorme, mas acabam com um momento anti-climático, mostrando-se totalmente desnecessárias. Já as personagens que aparecem com mais importância no último quarto do filme também se mostram muito menos relevantes do que poderiam ser. Ambas as histórias que são desenvolvidas, ligadas tanto à função de personal shopper como à da vertente de medium, acabam por criar expectativas que não conseguem ser cumpridas.

Personal Shopper acaba por desperdiçar o talento que Kristen Stewart lhe deu e também a ideia que Olivier Assayas desenvolveu. Trata-se principalmente de um problema de expressão da parte do realizador francês, que não consegue dar ao filme tudo o que estruturou tão bem na sua cabeça, evidente no plano que passou para o grande ecrã. Todas as personagens secundárias são aborrecidas, os diálogos que têm com Maureen são desinteressantes e quanto mais caminhamos para o final, mais certezas temos de que não vamos ficar satisfeitos com o desfecho. Tratou-se de uma aposta muito arriscada num filme pouco convencional que, ainda assim, tinha lá tudo para ser uma aposta ganha.


sobre o autor

Sandro Cantante

Partilha com os teus amigos