MENUMENU
Partilha com os teus amigos
Jagten
Título Português: A Caça | Ano: 2012 | Duração: 115m | Género: Drama, Thriller
País: Dinamarca | Realizador: Thomas Vinterberg | Elenco: Mads Mikkelsen, Thomas Bo Larsen, Annika Wedderkopp

Há filmes que, pela sua complexidade dramática, nos induzem a acompanhar de forma mais forte as personagens, a sentir as suas angústias de forma apertada e consistente, a sair do cinema com elas dentro de nós. É o que sucede, em muitos dos filmes de  Lars Von Trier, frequentemente por via da compaixão. Thomas Vinterberg é também dinamarquês, um companheiro de armas em termos cinematográficos e apresenta aqui uma obra que leva essa ideia mais além, fazendo com que tenhamos uma compreensão e uma relação de proximidade com todas as personagens principais, independentemente da justiça dos seus actos

O título do filme, A Caça em português, usa o hobby de grande parte dos homens desta comunidade como metáfora para a verdadeira caça de que é alvo Lucas, a personagem principal (no papel de uma vida de Mads Mikkelsen). Ele é um homem de meia-idade, divorciado, antigo professor, a refazer a sua vida como funcionário de um jardim-de-infância onde os miúdos o adoram, com uma nova namorada e prestes a recuperar a custódia do filho. Contudo, tudo desaba quando uma criança, filha do melhor amigo de Lucas e com uma curiosa fixação por ele, inventa uma história com indícios de abuso sexual. Está criado o rumor profundo, total, irreversível, capaz de arruinar uma vida com base na inocência inabalável de uma criança (a quebra de convenções).

jagten destaque

Depois da pedofilia real de Michael ou possível de The Doubt, dois belíssimos filmes, temos aqui a falsa pedofilia, sem que Vinterberg tenha, se exceptuarmos alguns pormenores subliminares, quaisquer pretensões de criar grandes dúvidas no espectador. O objectivo é antes, dentro de um certo fatalismo, fazer-nos compreender as várias posições deste pesadelo humano, sem julgarmos de forma precipitada a atitude de quem quer que seja. Estamos com Lucas e Marcus (pai e filho), mas também não criamos anti-corpos contra Klara (a miúda acusadora) ou os seus pais, os amigos que condenam sumariamente Lucas (em contraponto com os poucos que o ajudam) ou a directora do jardim-de-infância, que despoleta todo o processo público e judicial. Ficam algumas dúvidas sobre os excessos mais sensacionalistas dos momentos no supermercado, mas o epílogo dessas cenas tem uma força que é dificilmente questionável.

A Caça podia facilmente acabar mais cedo. Quer dizer que se estende em demasia, que não sabe escolher o momento para o desenlace? Longe disso… significa apenas que os arrepiantes 20 minutos finais têm em si mesmos vários clímaxes, como a avassaladora cena da igreja, com uma assombrada e devastadora missa do galo, ou a pesada e monumental troca de olhares entre Theo e Lucas numa espécie de consoada alternativa. Momentos que só potenciam e aumentam o poder do fecho, encerramento natural de uma metáfora profunda e amargurada.

Nesta parte final, Theo comenta com a filha (ou muito mais para si mesmo) que o mundo está cheio de maldade e que era necessária muita solidariedade entre os homens para a diminuir. Não há um pingo de ironia nesta frase, mas de um idealismo desencantado ou perdido. É, tal como sucede com Amour em temas, contextos e horizontes completamente distintos, uma espécie de murro no estômago de proporções tremendas. E a mensagem em aberto de um filme enorme.


sobre o autor

Joao Torgal

Partilha com os teus amigos