MENUMENU
Partilha com os teus amigos
Hidden Figures
Título Português: Elementos Secretos | Ano: 2016 | Duração: 127m | Género: Drama
País: EUA | Realizador: Theodore Melfi | Elenco: Taraji P. Henson, Octavia Spencer, Janelle Monáe, Kevin Costner

Elementos Secretos coloca-nos nos Estados Unidos, em 1961. É aí que encontramos três mulheres afro-americanas que, contra todas as expectativas sociais, chegaram a posições fulcrais na corrida espacial contra a Rússia. Uma história pouco ou nada conhecida que nos transporta, não só para o clima tenso de um país sob ameaça de guerra nuclear, mas também para a tensão racial de uma década decisiva na luta pela igualdade de direitos.

Em época de prémios é impossível dissociar o filme da expectativa que a industria construiu à volta dele, tornando-o numa escolha demasiado banal para poder ser incluido na corrida às estatuetas douradas, mas não menos meritória pela história que apresenta. As mulheres que controlam a narrativa são apenas três das dezenas de computadores afro-americanas a trabalhar na NASA, uma empresa governamental progressista mas que ainda alimentava a segregação e a diferença de género. O ponto mais forte do filme reside na capacidade de nos transportar para um cenário quase distópico, mas real, em  que tudo é vedado às nossas personagens principais: impossibilitadas de ir à mesma casa de banho que os brancos, de consultar os mesmos livros na biblioteca, de sentar em qualquer lugar no autocarro e de poder prosseguir estudos em qualquer escola. Há um clima desesperante em torno destas mulheres e o filme transmite-o de forma perfeita, mas apenas de maneira circunstancial, uma vez que os diálogos não estão, de todo, a par com a gravidade da situação. As interações humanas são quase cartoonescas e demasiado fabricadas para termos um entendimento pessoal de tudo o que está a acontecer. O que não ajuda, também, são as músicas excessivamente animadas de Pharrel Williams que nos acompanham ao longo de toda a história, especialmente quando frustrações do dia a dia passam a situações cómicas, fragilizando a intenção do filme.

Apesar de sermos apresentados a três personagens centrais, há uma com maior destaque, interpretada por Taraji P. Henson. A actriz escolheu não ligar a nada do que estava escrito no guião e dar o mesmo ênfase da questão racial a qualquer linha de texto. A certa altura há discussões acerca de equações matemáticas e não percebemos o porquê de tanta acertividade e emoção depositada na cena, tornando a personagem numa caricatura sem o mínimo de credibilidade histórica. O mesmo não se pode dizer de Kevin Costner, o superior hierárquico destas mulheres que se demonstra mais progressista e prático do que qualquer um dos seus pares, mas que o demonstra de forma subtil e verosímil. Janelle Monáe e Octavia Spencer são os pilares deste filme e as melhores prestações que aqui vamos encontrar, o que não é dizer muito, mas são interpretações sólidas e competentes dentro do contexto.

É um filme leve, simpático e interessante do ponto de vista histórico, mas segue todos os modelos de uma história inspiracional sobre superação de adversidades. Não se destaca de maneira nenhuma e é estranho que tenha tanto alarido à sua volta. A questão racial é pertinente mas não suficiente para toldar o pragmatismo que se quer de uma massa crítica.


sobre o autor

Jose Santiago

Partilha com os teus amigos