MENUMENU
Partilha com os teus amigos
Bling Ring
Título Português: Bling RIng: Gangue de Hollywood | Ano: 2013 | Duração: 90m | Género: Comédia, Thriller
País: Estados Unidos / Reino Unido / Alemanha / França / Japão | Realizador: Sofia Coppola | Elenco: Katie Chang, Israel Broussard, Emma Watson

Mais de uma década após As Virgens Suicidas, talvez ainda o seu melhor filme (pelo meio houve o sobrevalorizado Lost in Translation, o curioso exercício de estilo deMarie Antoinette e o ultra-entediante Somewhere), Sofia Coppola regressa à temática da adolescência. Contudo, em vez das convulsões dramáticas e do lado profundamente depressivo do seu filme de estreia, o retrato é aqui feito segundo a via da futilidade, de uma juventude sem ideais culturais ou claros objectivos de vida.

Baseado em factos verídicos, Bling Ring aborda um conjunto de jovens de LA que, com famílias aparentemente ausentes, desfeitas ou pouco “normais”, resolvem saciar os seus imbatíveis desejos materiais em termos de moda através do assalto a casas de grandes estrelas do showbiz. Roubos pacíficos, aproveitando a ausência dos proprietários e uma improvável falta de segurança, com portas abertas, sem alarmes e apenas com uma ou outra câmara de vigilância. Parece estranho que tudo seja assim tão fácil, mas essa também não é a questão principal.

_DSC1549.NEF
A futilidade adolescente é o ponto de partida para algo mais vasto, para uma reflexão sobre a sociedade do espectáculo gratuito (a inevitável Paris Hilton é um dos alvos) e sobre a fama fácil, ou como o crime pode ser um meio para a atingir. Arrependimento e prazer, bem como punição e oportunismo, surgem lado a lado. Com outro alcance, em termos de violência física, gravidade dos crimes e força cinematográfica, os planos televisivos com a elevação dos miúdos delinquentes ao estatuto de estrelas fazem inevitavelmente lembrar o mítico Born Nature Killers, de Oliver Stone.

Bling Ring não entra num caminho de moralismo simplório que o poderia destroçar em três tempos . Mas, pela coincidência das distribuições, perde por surgir muito próximo do superior Spring Breakers. Falta alguma criatividade, algum desenvolvimento psicológico e, exceptuando o final com um sentido satírico mais certeiro, alguma ironia mais assertiva. Até na música se sente isso, com a escolha assumidamente trash pop do filme de Korine (sim, com Britney Spears e afins) a ter mais fundamento do que o toque mais arty que Coppola, juntamente com Daniel Lopatin (Oneohtrix Point Never), quis dar a Bling Ring, com M.I.A. ou Azealia Banks como opções.

Não é um mau filme e sobe um pouco a parada em relação a Somewhere. Mas continua longe da obra-prima que, desde a belíssima promessa que foi As Virgens Suicidas, Sofia Coppola continua sem realizar.


sobre o autor

Joao Torgal

Partilha com os teus amigos