MENUMENU
Partilha com os teus amigos
American History X
Título Português: América Proibida | Ano: 1998 | Duração: 119m | Género: Drama
País: EUA | Realizador: Tony Kaye | Elenco: Edward Norton, Edward Furlong, Beverly D'Angelo

América Proibida – American History X – é um filme incontornável da história do cinema, desde logo, pela coragem de retratar de forma crua, gráfica e realista, a história de uma América que, apesar da sua história, das suas lutas, do seu passado de resistência pelos direitos e liberdades civis e contra a discriminação racial, permanece, nos seus comportamentos individuais e colectivos, com um racismo profundamente enraizado que assume contornos e máscaras que ainda hoje estão por decifrar.

Num momento em que são diárias as notícias sobre as execuções sumárias de negros pela polícia americana, uma crescente mobilização pelos seus direitos (#blacklivesmatter), retornar a um filme que vê os dois lados do ódio é fundamental para relembrar que ainda há muito caminho a percorrer na América da liberdade.

ahx

Ed Norton, no papel de Derek Vinyard, surge, em 1998, quase irreconhecível na tela. Um actor franzino, baixinho aparece um gigante, de cabelo rapado, musculado, com o corpo coberto de símbolos nazis, com uma suástica gigante no peito. A cena inicial do filme é inesquecível: Derek coloca a boca de um negro no lancil do passeio e com um pontapé esmaga-lhe o crânio.

E é esta a imagem que, por mais que os anos passem, que é indissociável de American History X.

O percurso de um jovem Derek, que começa por se interessar pela literatura de autores negros que o Professor Sweeney (interpretado por Avery Brooks) e por questionar o motivo pelo qual as escolas só dão conhecer autores brancos, ocultando uma parte significativa da história americana e que acaba, fruto de uma educação preconceituosa e de uma sociedade separatista, por se juntar a grupos supremacistas brancos e ali construir o seu pensamento baseado nos escritos e ideologia nazi.

Rapidamente se torna o exemplo a seguir pelo seu irmão Danny (Eddie Furlong), que, após o brutal assassinato que leva Derek a ser preso, lhe segue as pegadas no ódio racista.

ahx2

O que se passa na cadeia é expectável. Derek é odiado (as cadeias norte-americanas estão cheias de negros e hispânicos e, naturalmente, um supremacista branco não terá as melhores boas vindas) e como seria de esperar, não são os poucos brancos que acorrem em seu auxílio.

Todo o percurso que Derek então faz demonstra a ignorância brutal que sustenta o preconceito, o ódio, o racismo e que leva a comportamentos injustificados e injustificáveis que acabam por sentenciar a sua vida, a da sua família e a gerar ciclos de violência que se repetem.

É o ódio perpetrado pela violência de Derek nas suas acções passadas que gera a vingança e termina com a imagem de Danny, coberto de sangue, caído na casa de banho de um liceu, enquanto o seu assassino não terá mais do que 15 anos e segura orgulhosamente uma arma na mão.

Em off,  ouve-se: So I guess this is where I tell you what I learned – my conclusion, right? Well, my conclusion is: Hate is baggage. Life’s too short to be pissed off all the time. It’s just not worth it. Derek says it’s always good to end a paper with a quote. He says someone else has already said it best. So if you can’t top it, steal from them and go out strong. So I picked a guy I thought you’d like. “We are not enemies, but friends. We must not be enemies. Though passion may have strained, it must not break our bonds of affection. The mystic chords of memory will swell when again touched, as surely they will be, by the better angels of our nature.”

amhx5

No filme, não se refere de quem são as palavras. São de Abraham Lincoln, no seu discurso de 4 de Março de 1861 quando tomou posse como presidente. E aqui residiu o maior falhanço do filme. Fechou com a citação (entre tantos que poderia ter citado) de um presidente que, apesar de apelar à união dos Estados após a guerra da secessão, nunca se opôs à escravatura. Permitiu que os Estados onde esta era legal, assim a mantivessem, e que os brancos fossem donos dos negros.

E enquanto tal se mantiver, nunca seremos amigos, porque não é de amizade que se trata. É de igualdade. E, como ainda hoje se vê, ainda falta um caminho demasiado longo.


sobre o autor

Lucia Gomes

Partilha com os teus amigos