MENUMENU

Caio

Mundo Incerto
2018 | Edição de Autor | Folk

Partilha com os teus amigos

A roda de Caio, que circula por estradas feitas de melodias folk e de poemas que só o coração entende, tem-nos levado em viagem por mundos tão longínquos quanto lhes permitamos, voltando sempre ao lugar onde é plenamente feliz: a familiaridade.

#1 Saudade

Quis começar este disco com uma música que funcionasse como intro para algo do que vem aí. Uma espécie de prefácio de um livro. O nome “saudade” acho que funciona pois dá início a algo. Faz-nos sentir necessidade pois a harmonia acaba por evocar nostalgia.

#2 Vinho

Fala-nos de uma história de amor. Vinho tragado, perdição, mágoa e solidão. Este cocktail com um travo a arrogância e raiva subtil mantém a aura de ligação que precisamos para estar com outra pessoa.

#3 Benedita

Acho que tem a sonoridade e a mensagem ideal para ser o single do disco. Conta uma história de amor baseada em escolhas pouco seguras que acabam por definir o nosso caminho. Esta música tenta personificar relações de curta duração, mas de grande intensidade que nos fazem perder o rumo e entrar num mundo de incertezas.

#4 Pedrógão

Serve de metáfora para a paixão dando como exemplo a coragem e a alma dos portugueses que passaram pela tragédia dos incêndios (não só em Pedrógão, mas por Portugal inteiro).

“Fogo em pedra-pomes” acaba por simbolizar a dureza do povo português e a força que têm para superar qualquer tragédia.

#5 Procura

Toda a mensagem da música resume-se pelo último verso: “deixa-a cair e não ter força para agarrar”. Fala da raiva resultante de um desgosto amoroso e o confronto com este mesmo.

#6 Mundo Incerto

Fala sobre o “Não Saber”. Fala sobre a incerteza dentro de cada um de nós. O refrão: “Tu que cais neste mundo, Não passes que eu cá estou” tenta transmitir ao ouvinte a ideia de que o artista não quer ter certezas porque acredita que só é livre ao viver na incerteza.

#7 Só mais um adeus

Acabou por se tornar numa das músicas mais importantes do disco. Esta música, mesmo que não tenha letra, transmite uma mensagem de força a quem não se consegue livrar de algum remorso que tenham. Tornou-se numa música apenas instrumental com o objetivo de cada ouvinte poder abordar a música à sua maneira.

#8 Porto (des)sentido

Marca o último capítulo do disco, talvez por se relacionar com a minha primeira verdadeira paixão sentida até aos ossos. A cidade do Porto serve de fundo na nostalgia deste amor. Por mais que custe o mundo incerto acabou por levar a melhor sobre mim e influenciou-me a deixar esse amor para trás.

“Mundo Incerto” será apresentado ao vivo no Sabotage Club, em Lisboa, no próximo dia 23 de Março.


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura. (Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos