MENUMENU

Filho da Mãe

Água-Má
2018 | Lovers & Lollypops | Acústico, Rock

Partilha com os teus amigos

Imaginado e gravado entre Lisboa e a ilha da Madeira, “Água-Má” é o mais recente disco de Filho da Mãe e é aqui descrito faixa a faixa por Rui Carvalho.

#1 Praia

Esta música nasce na praia mesmo. Em férias, num formato mais “canção”, mais típico do Mergulho do que o resto das músicas deste disco. Foi a primeira “coisa” a sair e a definir-se como o início de um hipotético disco. Esteve para saltar algumas vezes, mas agarrou-se às rochas. Passei a tocá-la numa guitarra velhinha que tenho em casa… foi ficando cada vez mais praia.

#2 Não me voltes atrás

Esta tem vários momentos desde a linha inicial até a uma parte do meio que só descobri mais tarde. Gravei-a na sessão do HAUS em Lisboa, diferente daquilo que acabou por ficar no disco quando gravei no Funchal. A música parece que quer voltar atrás constantemente embora “lute” para não o fazer. Às vezes na vida tentamos voltar atrás, na maioria das vezes, não recomendo.

#3 Os meus ombros chumbaram a geografia

Bem vindos a um nome estúpido, que adoro. Os meus ombros não sabem o que fazer quando tento dançar, abano-os como se tivesse vários periquitos chatos a morderem-me as orelhas. Para além disso sou péssimo a geografia. A minha música também. Perde-se em todo o lado e nunca sabe onde está ou para onde está virada. Os meus ombros reflectem isto, mas continuam a abanar sem saber bem o que estão a dançar.

#4 Nem Chuva Nem Cães

Gravei numa casa no Funchal. Os microfones apanhavam as rajadas de chuva da Tempestade Emma que atravessava a Madeira e os cães que co-habitavam a casa não se calavam. A certa altura achei que quando tivéssemos um take sem chuva nem cães, tínhamos música. Não sei se terá ficado mesmo sem chuva nem cães mas o nome ficou.

#5 Não, Não Danço

Bom… não danço mesmo. Muito menos esta música. Embora a ache muito “dançável”, tenham paciência, não sei o que fazer com as mãos.

#6 Perseguição de Bananas

Estávamos rodeados de bananas. Bananas por todo o lado, nem uma foto tirei com bananas. Ficou a música.

#7 Poncha como o Vento

Esta quando a trouxe do continente, era uma música muito rítmica e muito bem comportada. Quando se pôs a beber poncha, num improviso, deu nisto. É das músicas que gosto mais do disco, não foi planeada nem nunca tinha pensado nela assim. Estava cansado de tocar e a gravar saiu-me uma certa dose de má onda nesse take. Fiquei muito mais bem-disposto a seguir.

#8 Marraram as ondas, partiu-se o pontão

Passámos um noite no Barreirinha – quartel-general do Festival Aleste no Funchal – a ver as ondas a galgarem o pontão onde normalmente se realiza o festival, até que o destruiu parcialmente. As ondas chegavam a uma altura impressionante, ficou-nos na cabeça. A tempestade acaba por engolir o disco e a música. A tempestade ganha sempre.

#9 Casa

São os sons da casa em que gravámos. Fica como o pano de fundo de toda a nossa gravação. É aquela faixa que vou visitar algumas vezes de phones para sacar um sorriso e matar saudades.


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura. (Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos