Star Wars: As 10 curiosidades que faltavam à tua vida

por Bruno Ricardo em 15 Dezembro, 2015 © LucasFilm

Toda a gente acha que sabe tudo sobre Star Wars. Desde o gajo que percebe o código e a piada do número 1138, até ao indivíduo que gozava comigo quando era mais novo e adorava a saga, e agora, na idade em que dizer que ser nerd (mesmo não o sendo) é fixe, anda a vibrar com o regresso da maior mitologia cinematográfica do cinema. Quer para uns quer para outros, aqui vão dez coisinhas que se calhar nenhum deles saberá acerca da progenia mágica de George Lucas:

#1 O casting

O casting do primeiro filme foi feito em simultâneo com o de Carrie, de Brian de Palma. Era a mesma pessoa, Dianne Crittenden, quem escolhia os actores para ambos os filmes. Apesar dos conselhos de Crittenden, Lucas (que era amigo de Palma) deixou que, entre outros, Amy Irving, John Travolta e Sissy Spacek entrassem no elenco de Carrie. Travolta teria feito Luke Skywalker. Kurt Russell e Nick Nolte foram outros actores testados para Han Solo, bem como Christopher Walken.

Até Robert Englund, o Freddy Krueger de Wes Craven foi testado para o papel. Englund teria outra ligação à saga… Na altura, o seu colega de casa era um jovem desempregado acabadinho de chegar à Califórnia em busca do sucesso. Entre uma cerveja e outra, Englund comentou este casting para um filme de naves e extraterrestres ao qual iria nos próximos dias. O nome desse jovem? Mark Hammil. E se hoje não imaginam outra voz que não a do gravíssimo James Earl Jones a tremelicar as estrelas como Darth Vader, sabiam que Orson Welles era a primeira escolha do tio George? Quando a máscara é retirada ao grande vilão, o sonho dos produtores era ter um grande actor a interpretá-lo, como Laurence Olivier ou John Gielgud.

As prequelas também têm as suas revelações esquisitas. Gostaram do bad mo-fo Samuel L. Jackson como Mace Windu? Então imaginem o papel interpretado por – nem mais nem menos – Tupac Shakur, que foi ao casting pouco tempo antes de se encontrar com o lado negro da Força do chumbo. Leonardo diCaprio e Christian Bale eram os nomes desejados por Lucas para o papel de Anakin Skywalker; e naquilo que teria sido talvez um dos momentos mais folclóricos de toda a História do cinema, Michael Jackson chateou Lucas dia e noite pela oportunidade de interpretar Jar Jar Binks.

#2 Obrigado, Brian de Palma! :”)

O mencionado de Palma contribuiu para um dos elementos mais marcantes do visual de Star Wars. O primeiro screening do episódio IV foi feito apenas para alguns amigos mais próximos de Goerge Lucas, onde estava incluído Steven Spielberg. Steven gostou, de Palma não. Achou a história confusa, não percebia as naves, os extraterrestres, os planetas, o Império, os Rebeldes. À saída do screening, avisou logo que o filme ia ser um fracasso se Lucas não procedesse a mudanças, e que se o amigo queria manter tudo como estava, então mais valia escrever um pequeno textinho para colocar no início do filme, a explicar o contexto geral da história e a situação. Lucas aceitou a ideia, até porque lhe lembrava os scrolls dos filmes de ficção científica e aventuras dos anos 30 (um modelo que ele iria aproveitar). Os dois realizadores acabaram por escrever o texto final que hoje podemos ver.

#3 Girl power intergaláctico

Nos primeiros esboços de Star Wars, Luke Skywalker era uma mulher, porque Lucas estava preocupado com o facto de haver tão poucas personagens femininas no filme.

#4 Laços de família

O mítico e quase esquecido Star Wars Holiday Special valeria por si só um artigo, pela bizarria e pela ideia que passa de que toda a gente envolvida estava drogada, alcoolizada ou simplesmente livre de bom senso. No entanto, ficamos a saber coisas interessantíssimas: Chewbacca tem uma família, com mulher, o pai e um filho – ela chama-se Malla, o Wookie mais velho Itchy e o petiz Lumpy. Entre aparições de, por exemplo, Jefferson Starship e Bea Arthur da série Golden Girls,  Itchy tem um momento solitário onde assiste a um número musical onde uma jovem negra começa a cantar «We’re excited, aren’t we?», enquanto o vetusto Wookie geme de satisfação…

#5 E assim começou o cosplay

Return of the Jedi é geralmente visto pelos fãs como uma oportunidade perdida para aprofundar o negrume da história do filme anterior, mas George Lucas esteve perto de não ceder aos seus instintos comerciais. Inicialmente, o final previsto para a trilogia original desenrolava-se mais-ou-menos como o que podemos ver hoje, mas com uma mudança: Luke pegava na máscara do pai, colocava-a e dizia «Agora, eu sou Vader.» e mataria os seus antigos colegas rebeldes. Porque Lucas pretendia que este filme fosse para a garotada (e para os seus bolsos), tal cena épica foi imediatamente descartada.

#6 Tudo é arte, até os hamburguers voadores.

As influências de Star Wars são por vezes bizarras. O Millennium Falcon, porventura dos objectos mais icónicos da saga, tem elementos completamente díspares: o cockpit foi inspirado por bombardeiros da II Guerra Mundial (que também inspiraram o estilo de voar da nave), mas todo o design circular, assim feito para escapar a comparações com uma outra série de ficção científica da época, Espaço 1999, foi inspirado por um hambúrguer deixado a meio num almoço da equipa de efeitos especiais.

#7 Do campo para as galáxias

Outras inspirações parecem ainda mais estranhas. É consabido que George Lucas foi bastante influenciado por serials de filmes de aventuras da década de 30. Mas as raízes do realizador, que era um grande amigo de Francis Ford Coppola, estavam mais no cinema independente e de vanguarda. O seu primeiro filme de ficção científica, THX 1138, é prova disso. Sabendo isto, talvez não seja estranho saber que muitos dos elementos de Star Wars tenham sido roubados a um filme de, pasmemo-nos, Akira Kurosawa. A Fortaleza Escondida conta a história de dois camponeses trapalhões, uma princesa, um samurai vilanesco e um senhor feudal que domina uma região. No meio de bolandas e tropelias, todos estes elementos se misturam e a história acaba com a princesa salva e o “império” derrotado.

#8 Monkey see, monkey do.

Yoda, a marioneta, é um dos personagens mais amados da saga, e Lucas elogiou mais tarde o trabalho de Frank Oz, que o interpretou. No entanto, a ideia original do criador de Star Wars era bem mais bizarra: colocar um macaco verdadeiro mascarado de Yoda, e ensinando-o a andar de bengala.

#9 «I am your father»

O plot twist mais famoso da História do Cinema chocou muita gente. Inclusive todos os envolvidos no filme. David Prowse, que interpretou Darth Vader nas filmagens, tinha uma tendência irritante de revelar pormenores da intriga a jornais da sua cidade e por isso Lucas, precavendo-se, apenas contou a reviravolta ao realizador de The Empire Strikes Back, Irvin Kershner. Este, por sua vez, apenas o partilhou com Mark Hammil minutos antes de a cena ser rodada. A fala original, e enganadora, foi «Obi-Wan killed your father» e todos acreditaram nisso até o filme estrear.

#10 Os homens não se medem pelo calçado

Grand Moff Tarkin, o líder da Estrela da Morte original, parece sempre chateado e irritado – e com razão: Peter Cushing, o actor que o interpreta, usava umas botas horríveis que lhe apertavam os pés. Sempre que o virem no filme dos joelhos para cima, não se preocupem: o grande actor inglês está a usar uns confortáveis chinelos.

EXTRA! EXTRA!

Vá, um bónus que tem a ver com outro filme: quando virem X-Men, de Bryan Singer, atentem particularmente na cena em que a Storm de Halle Berry  luta contra o vilão Toad, interpretado por Ray Park. Toad atira-a por um poço de elevador e depois, chuta um comprido ferro que segura as portas escancaradas do mesmo. Depois de uns malabarismos com o ferro, termina numa posição que vos recordará o vilão Darth Maul de The Phantom Menace. É natural: foi interpretado pelo mesmo Ray Park.


sobre o autor

Bruno Ricardo

Partilha com os teus amigos