MENUMENU

Zola Jesus

Taiga
2014 | Mute Records | Pop

Partilha com os teus amigos

Nika Rosa Danilova, ou mais propriamente, Zola Jesus, está de regresso em 2014 com Taiga, um álbum repleto de sons catchy, depois do sucesso do LP de 2011, Conatus. Taiga é uma palavra russa para designar “florestas boreais” e apesar deste título gelado, o registo mostra um passo novo na carreira de Zola, elevando-a no panorama da pop dançável.

Como havia confidenciado à Rolling Stone, em Julho passado, tornara-se insustentável a distracção que o seu apartamento em Los Angeles lhe proporcionava, impedindo-a de criar algo tão íntimo. Daí rumou a Vermont, Wisconsin e Washington, onde se instalou em locais mais pacatos. Isolada do ruído, pôde embrenhar-se na construção de algo límpido e único para si.

Como qualquer miúda que cresceu nos anos 90, Zola cresceu a admirar as divas da altura, como Mariah Carey, ou Aaliyah, sendo que neste disco a voz tem um papel fundamental e emancipado. Contrariando a mecânica dos outros álbuns, desta vez as letras levaram um boost de energia, para que a voz pudesse ser o centro da atenção. Com as letras trauteadas a capella, os instrumentos foram introduzidos posteriormente, onde se enquadrassem melhor.

A faixa de abertura, com título homónimo, começa com cânticos longínquos, esperando que a voz rompa com o instrumental, lançando a questão “Do you wish, You could go back to it all?”, e encontrando depois uma parede de electrónica.

Segue-se “Dangerous Days”, um tema que nos fica no ouvido, e onde a voz se aproxima a uma Florence Welch, tal como em “Hunger”, que nos contagia com o beat, mas que ainda assim deixa algo de misterioso no ar. “Lawless” é uma pop que remete a Lorde, e ao carisma de Lykke Li. O instrumental é “limpo”, assim como a voz cristalina.

Um registo cheio de sons frios, mas onde nos podemos aquecer. Quando algo vem do íntimo e é tão visceral, mais facilmente estabelece uma conexão connosco. São onze faixas onde os sintetizadores são embaixadores das pistas de dança e onde reinam as imponentes vocalizações de Zola. É também o patamar mais alto onde as letras da artista chegaram até ao momento, criando algo sério, com uma mensagem a transmitir. Esta pop é negra e vem das profundezas.


sobre o autor

Andreia Vieira da Silva

Partilha com os teus amigos