MENUMENU

Ulver

Messe I.X-VI.X
2013 | Kscope | Dark Ambient

Partilha com os teus amigos

Pouco mais de um ano depois de Childhood’s End, os Ulver estão de regresso. Desta vez surgem com um álbum em conjunto com a Tromsø Chamber Orchestra, intitulado Messe I.X-VI.X, que conta com seis temas onde o grupo norueguês volta a desbravar caminhos onde a música é negra, melancólica e com grande poder imagético.

A faixa que abre o disco, “As Syrians pour in, Lebanon grapple with ghosts of a bloody past”, inicia-se com um drone obscuro em crescendo, ao qual se juntam, minutos depois, as cordas da Tromsø Chamber Orchestra. O que se segue é um conjunto de melodias absolutamente sublimes, que nos remetem para o Clássico Moderno de nomes intocáveis como Arvo Pärt ou Henryk Górecki e, com um sentimento vincadamente cinemático, que a certa altura se aproxima perigosamente da música composta por Jonny Greenwood para o filme There Will Be Blood. Curiosamente, o guitarrista dos Radiohead editou no ano passado, um disco a meias com Krzysztof Penderecki, outro desses intocáveis no que diz respeito ao Clássico Moderno. Nas duas faixas seguintes, Shri Schneider e Glamour Box (ostinati), respectivamente, os Ulver adicionam aos elementos clássicos, a electrónica que já é marca distinta do grupo, desde a sua mutação depois da inicial “trilogia black metal”. Os resultados são duas músicas que poderiam muito bem pertencer a uma banda sonora desenvolvida por Clint Mansell para um qualquer filme de Darren Aronofsky, tal é o nível de sofisticação apresentada entre a música clássica e a electrónica.

Mais de metade do disco já passou e até aqui não existem quaisquer sinais daquele que é porventura o elemento mais característico e transversal a toda a carreira dos Ulver, a voz do seu mentor, Kristoffer Rygg, também conhecido por Garm. Ao quarto tema, Son Of Man, somos presenteados com o espírito que paira mais alto no grupo norueguês. As letras derivam de preces negras enquanto as melodias nos trazem a melancolia característica dos Ulver. A voz ora é profunda – como era em Shadows Of The Sun – ora se liberta – como em Perdition City ou Blood Inside, guiando o tema até um final majestoso – digno de A Quick Fix Of Melancholy, o EP que já tem dez anos – e com um coda sinfónico à Schubert ou Bach. Só no último tema de Messe I.X-VI.X, o intitulado Mother Of Mercy, somos brindados de novo com a voz de Garm, numa faixa onde durante uns momentos apenas se ouvem sinos, velhas carpideiras a rezar Avé Maria e órgãos de igreja. Pelo meio existe o tema Noche Oscura del Alma onde os Ulver nos oferecem música ambiente e darkwave com samples de vozes assombradoras.

A chave para se apreciar Messe I.X-VI.X na sua totalidade é, julgamos nós, encará-lo como mais uma das experiências de um dos projectos mais interessantes dos últimos vinte anos. Um pouco à imagem de Lyckantropen Themes e de Svidd Neger, que eram bandas sonoras, ou até de Childhood’s End, o disco de covers editado no ano passado, este disco tem um conceito especial, tendo sido um trabalho desenvolvido em conjunto com uma orquestra. Apesar disso, os elementos que definem os Ulver estão presentes e por isso mesmo, nós continuamos a acreditar. Ámen.


sobre o autor

Carlos Vieira Pinto

Partilha com os teus amigos