MENUMENU

Queens of the Stone Age

…Like Clockwork
2013 | Matador Records | Rock

Partilha com os teus amigos

Era Vulgaris parece que foi ontem. Mas não. 2007, a bem dizer, já é um ano algo distante. Josh Homme, que também podia ser tratado por Sr. Queens of the Stone Age (QOTSA), é alguém que nos fica na memória. Sempre. Para o bem e para o mal. É uma figura que já passou aquela fase do “um dia, ele será um dos heróis do rock”. Já o é, amigos. Parem lá de viver no passado.

Desde 2007 que nada sabíamos dele enquanto Sr. QOTSA. Em registos, pelo menos. Eis que ele volta. Era Vulgaris tinha um travo a memória agridoce e sempre preferimos lembrar os QOTSA por aquilo que tinham feito anteriormente (não vamos citar nomes. Todos os sabem). …Like Clockwork era visto com expectativa e, mais uma vez, não houve arrependimento. Não é um disco genial. É um disco bom. Muito bom até, e tem na bateria Dave Grohl, que rende Joey Castillo. E todos sabemos que, por estes dias, fazer rock não é propriamente aquilo que os credores da música olham com confiança.

Mas, nas imortais palavras de António Sala, “vamos à música”: O disco abre de forma saborosa. Os sons de alguém a aproximar-se em  Keep Your Eyes Peeled  servem de aviso, se bem que é a meio-gás que nos chega a primeira linha de baixo. Simples, mas viril (isto é música de homem, passo o machismo bacoco, ou melhor, música d’Homme).

A seguir vem um tema fantástico de rock e melodia (os arranjos melódicos e vocais do disco são não raras vezes brilhantes) e um cheirinho a single bem melhor do que aquele que serviu para apresentar este trabalho. I Sat by the Ocean é a primeira que nos sussurra (anda, seu safado, põe em repeat, põe em repeat). Lembra todas as boas visitas aos anteriores trabalhos, mas sem nunca exagerar no saudosismo. É QOTSA e é novo.

Voamos para o primeiro momento gentle do disco. The Vampyre of Time and Memory senta Homme ao piano, antes das guitarras rebentarem atrás dele. If I Had a Tail volta a chamar para si o rock e aqui com a preciosa ajuda do ex-amigo, entretanto amigo normal novamente de Homme, despedido em 2004, o barbudo Nick Olivieri nas vocalizações. E que vocalizações, amigos.

E chega a vez do single, My God Is The Sun é a pior faixa de um disco com poucas coisas más. Ela não é péssima, só não é melhor que as outras. Mas nada temam, porque da aparentemente calma Kalopsia  à incrível Fairweather Friends é um saltinho. Até ao final do disco, que termina com a faixa título, a tal produzida por James Lavelle, senhor que nos habituou a coisas boas com os deliciosos UNKLE, fecha-se com chave de ouro. E olhem que fechar após a melhor faixa do disco,  I Appear Missing, que é também das melhores canções rock do ano (até agora), é difícil. Eu teria medo, pelo menos. Ainda por cima termina com um riff majestoso. À deus do rock, uma expressão que faz tanto sentido como dizer que ficar em segundo é ser-se o primeiro dos últimos.

Ou seja: os QOTSA fazem um dos discos mais eloquentes do ano, sendo esse mesmo de rock e guitarras (que já não são bem a mesma coisa), sendo também que estamos em 2013. Tinha tudo para ser estapafúrdio, mas não é. Porque quem joga com os melhores arrisca-se a ganhar. Há pouco rock a interessar por estes dias. Mas os QOTSA, por muito pouco imprevisível que possa parecer referi-los, ainda valem bem a pena.


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura. (Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos