MENUMENU

Kanye West

My Beautiful Dark Twisted Fantasy
2010 | Roc-A-Fella, Def Jam | Hip Hop

Partilha com os teus amigos

My Beautiful Dark Twisted Fantasy é o quinto álbum de Kanye West. Tem “skits”, “samples” e dezenas de convidados, tal como os anteriores. E no entanto, é diferente. Se em The College Dropout e Late Registration ressaltavam as influências funk e soul (e em geral de toda a música negra americana), em Graduation havia a electrónica e 808’s & Heartbreaks era dominado pelo minimalismo e pelo Auto-Tune. Em My Beautiful Dark Twisted Fantasy há isso tudo, e muito mais.

Deve dizer-se que esta não é uma obra “fácil”. Algumas músicas podem parecer repetitivas e o tom do álbum, agressivo, não ajuda à festa. Contudo, a pouco e pouco a sensação de repetição dá lugar a uma constante descoberta de pequenos pormenores, na música e na letra (ou não fosse este um álbum de “rappers”), e toda a agressividade parece fazer sentido. É que, se a maioria das canções tem força própria, este é um caso típico em que o todo é maior que a soma das partes, em que o álbum nos absorve totalmente quando ouvido de uma ponta à outra.

A introdução é feita por Nicki Minaj em versão “british” enquanto Bon Iver multiplica a sua voz em pano de fundo, antes de soltar um “Can we get much higher?” – sim, o Kanye de “Touch The Sky” ainda por aqui anda, e recomenda-se. Segue-se “Gorgeous”, servido por um riff de guitarra enleante, e a diabólica “Power”. Caso sério, esta, já que a conjugação coros+grande beat+21st Century Schizoid Man (isso mesmo, King Crimson) merece um texto só para ela (fica para outra). Aliás, começa aqui a melhor sequência do álbum. Depois de um breve interlúdio de piano e violino, Kanye junta as vedetas da MTV para outra grande música: “All Of The Lights”. A seguir? Bem… uma das melhores, se não mesmo a melhor do álbum – “Monster”, uma canção monstra a todos os níveis (passe o trocadilho fácil). Bon Iver é sinistro como nunca o (ou)vimos, Rick Ross dá o tom, bruto, e Nicki Minaj saca a performance da sua vida: “I’m a motherfuckin’ monsteeeeerrr!”.

Escusado será dizer que no meio disto tudo Mr. West continua a fazer aquilo que faz melhor: beats e mais beats. Além disso, prova que mesmo tendo um mau “flow” é possível ser bom rapper – é tudo uma questão de criatividade, e Kanye defende-se das suas fraquezas enquanto MC como poucos. Depois de duas faixas menos conseguidas vem “Runaway” (a do vídeo com bailarinas) e “Hell Of A Life” com um riff que pouco deve ao melhor hard-rock. É também a canção mais explícita do álbum e aquela em que Kanye nos atira à cara todo o seu ego: “I’mma make the devil wait” porque, afinal, “pussy and religion is all I need”.

Segue-se “Blame Game”, na qual John Legend canta rimas de coração partido. Lamechice? Não, Kanye não deixa: a melodia dominante pode ser um pianinho, mas em fundo baterias e caixas de ritmos cruzam-se num acompanhamento que irrompe, hesita, aparece e desaparece. Ficamos a saber que, apesar de não ter grande voz, Kanye também é capaz de afinar umas notas e, a acreditar nas palavras de Chris Rock, de ensinar umas quantas coisas às senhoras. Depois, feito mágico, transforma um “sample” de Bon Iver (“Woods”), numa cavalgada contagiante – a música chama-se “Lost In The World – ouvindo-se aqui e ali Gil Scott-Heron. E é com esta grande voz do povo negro oprimido que Kanye se despede: “Who will survive in America? Who will survive in America? Who will survive in America?”.

Ouvem-se palmas no final da faixa. Nem podia ser de outra forma.


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura. (Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos