MENUMENU

Fozzy

Sin and Bones
2012 | Century Media Records | Hard Rock

Partilha com os teus amigos

Fãs da WWE já devem ter percebido que havia algo por trás da saída de Chris Jericho após um regresso que durou uns oito meses. A razão está aqui mesmo: o quinto longa-duração da sua banda, os Fozzy, e terceiro disco de originais. Como consequência deste álbum vem também uma atribulada vida na estrada, porque os Fozzy parecem estar a crescer para além “daquela banda cujo vocalista é um wrestler” e estão-se a tornar uma coisa cada vez mais séria, partilhando até palcos com nomes grandes.

O que também ajuda a banda a ser levada mais a sério é o seu próprio trabalho e procura pelo amadurecimento. Mesmo que façam música directa e sem rodeios, não deixa de se notar que a cada álbum se superam. Com este “Sin and Bones” preocupam-se em inovar e renovar o som para que soem bem situados e relevantes no presente, sem virar as costas às suas influências pesadas tradicionais.

E que influências clássicas e tradicionais são essas? Tudo o que percorra alguns nomes óbvios como Iron Maiden, Scorpions, Judas Priest, W.A.S.P., Dio, Motley Crue e claro… Ozzy Osbourne, tendo em conta que o nome Fozzy não é uma referência ao Fozzie Bear dos Marretas – mas até podia ser, era curioso. A principal ligação que se fazia com Ozzy residia desde já na voz de Jericho. Ainda no anterior disco “Chasing the Grail”, existem passagens em que Chris Jericho atinge ali uns tons que quase dava para enganar um ouvinte mais ingénuo e distraído. Ora, o lutador/vocalista não se pode dar ao luxo de mudar a voz de um disco para outro, mas já altera um pouco os tons para que continue a soar reconhecível, mas adicionando-lhe uns tons modernos que lhe acrescentam um certo ar de M. Shadows.

E por falar no indivíduo, aparece com uma participação importante em “Sandpaper”, aquele que é um dos temas mais fortes de todo o disco. Não só pela presença de Shadows, mas a música em si já tem uns tons modernos e juvenis que os poderiam aproximar de uns Avenged Sevenfold. E agora que me debrucei sobre uma faixa, aproveito para fazer o mesmo a algumas das que mais se destacam, para uma descrição orientadora muito breve:

“Spider in My Mouth” cumpre o seu dever de abrir o disco com força e para preparar o paladar com aquilo que se espera com um álbum deste simples calibre: um bom riff e um bom refrão para agarrar. Bem conseguido porque é já aqui que se encontram dos melhores dessas categorias em todo o disco. De “Sandpaper” já falei, mas esse sólido número é de imediato seguido por um dos temas mais fortes e potentes – e leia-se também pesado apesar de eu não gostar muito de fazer comparação de “pesos” – “Blood Happens”, onde existem por ali umas amostras de guturais que podem deixar os fãs do Metal extremo muito cépticos, mas mesmo que não sejam das coisas mais impressionantes feitas nesse aspecto, serve o seu propósito na canção. Como qualquer banda que beba água da fonte do Metal clássico que se preze, têm que arranjar espaço para as baladas e, cumprem esse seu batido dever em “Inside My Head” e “A Passed Life”, sendo esta última a superior com muito mais força que a mais insípida anterior. Para destacar mais, ainda existe aquele solavanco de glam que é “She’s My Addiction” e, que podia ter saído do catálogo dos KISS ou dos Motley Crue, onde quase vemos Chris Jericho de calça justa e maquilhagem a cantar – curiosamente, a sua personagem quando se estreou no wrestling. Para concluir, seguem o mesmo caminho que em “Chasing the Grail” e concluem com uma épica “Storm the Beaches” a bater nos onze minutos e meio de duração, para exibir alguns dotes de escrita de canções mais avançados e com uma subtil piscadela de olho ao progressivo.

O álbum baseia-se praticamente nisto e não existe mais grande razão para se explorar este registo além da procura de riffs e refrões eficazes. Não se inventa a roda, não se concebe um álbum para constar em listas de melhores do ano, nem sequer para cimentar o estatuto dos Fozzy como futuras lendas. Pura e simplesmente um disco bem conseguido para quem procurar umas malhas directas e divertidas e, muito importante também para afastar a banda do conceito de projecto paralelo de um gajo da WWE. Quem está à espera do seu regresso aos ringues vai ter que esperar mais um pouco, porque ainda há muito para fazer…


sobre o autor

Christopher Monteiro

Partilha com os teus amigos