MENUMENU

Black Bombaim

Titans
2012 | Lovers & Lollypops | Stoner Rock

Partilha com os teus amigos

Após o poderosíssimo “Saturdays and Space Travels” era difícil adivinhar que o próximo álbum dos Black Bombaim conseguisse igualar em qualidade. A verdade é que é igualmente poderoso, bruto e conta agora com colaborações de luxo! A um nível que poucas bandas conseguem. Reparem só, para este novo trabalho, intitulado “Titans” (com todo o sentido do universo), os Black Bombaim contam com Adolfo Luxúria Canibal (Mão Morta), Noel V. Harmonson (Comets on Fire), Steve Mackay (The Stooges), Shela (PAUS), entre outros ilustres nomes nacionais e internacionais.

Este novo álbum junta os vários “titãs” de géneros diversos, tudo de forma bem coesa e com enorme pujança, uma característica já habitual da banda.

“A” é a única música com voz, nomeadamente a de Adolfo Luxúria. É uma música pesada, fazendo lembrar uns Mão Morta mais psicadélicos e stoners. Durante cerca de 19 minutos de um ambiente obscuro, negro e tenebroso, sempre guiados por Adolfo e pelos riffs pesados dos barcelenses, contam também nesta música com as colaborações de Jorge Coelho, Shela e Noel V. Harmonson.

Este álbum merece ser descoberto aos poucos. Perca-se algum tempo em cada faixa, há certos pormenores que só vão emergir à segunda ou terceira audição. Se “A” é uma viagem negra, “B” é uma viagem misteriosa. Iniciando-se com umas teclas virtuosas, não se espera muito até que as guitarradas entrem em cena. Esta viagem psicadélica é tão bem conduzida que damos por nós a trautear os riffs das músicas. “B” conta com Guilherme Canhão e Tiago Jónatas.

Em “C” voltamos a mudar o ambiente, que apesar de ter sempre o psicadélico como fundo, vai acrescentando novos instrumentos, tornando a viagem sempre diferente. “C” tem o saxofone de Mackay! E tão bem que o saxofone encaixa no instrumental dos Black Bombaim. Esta é talvez a música mais alternativa do álbum e provavelmente a que mais gosto, mas as outras não deixam de ser geniais. A par de SteIsaiah Mitchell são os convidados de peso para esta faixa.

“D”, com a presença de Ghuna X, Tiago Pereira (Aspen) e HHY, é uma música mais experimental, que embora bem conduzida pela bateria, possui ritmos menos coordenados. A meio da faixa, cai nova bomba, um poder bem dominado pelo trio.

Álbum com grandes convidados e variações de som, mas que apesar de tudo mantém a mesma base, este “Titans” é um exemplo claro de que em Portugal só não há boa música para quem não a quer ouvir. “Titans” é complexo, poderoso e entusiasmante.


sobre o autor

Arte-Factos

A Arte-Factos é uma revista online fundada em Abril de 2010 por um grupo de jovens interessados em cultura. (Ver mais artigos)

Partilha com os teus amigos