MENUMENU

30 Seconds to Mars

This is War
2009 | Virgin Records | Rock

Partilha com os teus amigos

Na primeira canção que enceta este novíssimo álbum dos 30 Seconds to Mars, “Escape”, Jared Leto sussurra que “isto não é um jogo” e que é “hora de escapar”. Um coro de miúdos, como que retirados de uma outra canção dos Pink Floyd, alerta-nos “Isto é guerra”. Deixa-nos com medo, sem dúvida.

Em “Kings & Queens”, há a vontade de esta ser uma canção épica, de ter uma mensagem revolucionária, mas acaba por ser um misto U2 e de uns Coldplay mais recentes, com uns vocais puxados ao limite. Mr. Leto, não é a berrar que nos fazemos ouvir.

“This is War” é a canção ideal para Jared Leto rebentar as cordas vocais. E como qualquer música inspirada na guerra, venha então o cliché dos tambores sincopados. E os coros, os coros.

“Hurricane”, vem acalmar as hostes (apesar da ironia do título), e longinquamente ouvimos algo que lembra Nine Inch Nails, se nos conseguirmos abstrair da voz, até sensivelmente meio da música, em que na parte melhor, Jared berra como se não houvesse amanhã, e Kanye West diz qualquer coisa. Tirando isso, e se não fosse o toque à Timbaland, o instrumental está interessante, e a voz é suportável por um mais longo período de tempo. E no fim, os coros, os coros.

“Closer to The Edge”, é o segundo single, é fácil de ouvir, é a música orelhuda e radiofónica.

“Vox Populi”, começa com todos os clichés dos 30 Seconds to Mars. Tambores, coros, Jared Leto armado em sargento. Letras que querem gritar algo importante, mas que se esforçam demasiado. E gritam demasiado. “This is a battle song, time to go to waaaar”. Ok, já percebemos sargento Leto, é preciso repetir o mesmo em todas as faixas?

“Stranger in a Strange Land”, (que por acaso tem o mesmo nome de uma música dos Iron Maiden) traz de novo reminiscências de Nine Inch Nails, partes electrónicas interessantes, que mais uma vez são abafadas pelos gritos desesperados de Jared Leto. Logo agora, que se estava quase a conseguir apreciar algo no álbum, decentemente…

Por último “L490”, porventura a melhor música do álbum, um instrumental bastante bom, que faz lembrar Anathema, ou God is an Astronaut, por exemplo. Nota-se a diferença, o não ter que ouvir as letras repetitivas, nem berros inapropriados. Consegue-se de facto ouvir esta música, pois parece que não faz parte do álbum e desenquadra-se totalmente da linha a que este nos habituou.

Em suma, mais do mesmo, vocais exagerados, letras que se ficam pelo mesmo assunto. Pegaram no tema da guerra, e quiseram transformar este álbum num clássico, mas o esforço é nítido, a ambição de se quererem tornar numa banda épica e credível é exagerada, até na própria imagem que Leto adoptou, um filho perdido entre um Bono Vox e um punk qualquer efeminado que veste Prada e casacos da Burberry. 30 Seconds to Mars querem ser tudo o que há para “ser” na música, e acabam por realmente constituir pouco. E por favor, devolvam o coro dos miúdos aos Pink Floyd.


sobre o autor

Andreia Vieira da Silva

Partilha com os teus amigos